Nota de Repúdio!

in Manifestos e publicações de atos oficiais da ABRACRIM, Notícias
5cb2d27e-982a-4dc5-8ae8-df7ef8340473
1

A ABRACRIM – Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas, por proposta urgente da ABRACRIM-RO e ABRACRIM-PR, REPUDIA O COVARDE E ILEGAL ato praticado contra advogada em Curitiba, na manhã deste dia 12 de outubro.
A Advogada Carla Begnini Pinheiro, com mais de 26 anos de advocacia em Belo Horizonte e em Rondônia, foi presa em Curitiba, no livre exercício de sua profissão, ao atuar em situação de violência doméstica sofrida por vizinha do prédio onde estava passando o feriado.
Sob desculpa de “desacato à autoridade”, por legitimamente querer a advogada que constasse no boletim de ocorrência a realidade dos fatos, eis que no meio da narrativa para confecção do boletim de ocorrência, chegaram fatos novos e importantes, mas os policiais se negaram a incluí-los, sob a alegação de que ela não deveria querer “ensiná-los a trabalhar”.
Foi presa de pijamas e desnecessariamente algemada com as mãos para trás, diante dos seus filhos.
Negaram ainda a ela o direito de contatar qualquer familiar ou advogado ou OAB. Ela gritou para os filhos, já no interior da viatura, para que entrassem em contato com o marido em Rondônia (também advogado), que acionou a ABRACRIM, que, por sua vez, noticiou o ocorrido à OABPR.
Conforme relata em carta enviada à ABRACRIM logo após ser libertada, a advogada ficou na delegacia, algemada e com as mãos para trás, até que os representantes da ABRACRIM Thaise Mattar Assad e da OABPR Ygor Nasser Salmen chegassem e pedissem a retirada das algemas e tratamento condigno.
A advogada vitimada narrou o episódio como o maior constrangimento profissional de sua vida.
A ABRACRIM repudia da maneira mais firme e pede enérgicas providências da OABPR, de ordem civil e penal militar contra os responsáveis, inclusive público desagravo!
A advocacia brasileira que não se calou nas ditaduras, não se calará na democracia.
A advogada foi desrespeitada como profissional, como mãe (no dia da criança) e como mulher.
Ressalva-se que esta não é a postura comum da PMPR.
Curitiba, 12 de outubro de 2016.

Elias Mattar Assad
Presidente ABRACRIM Nacional

Alexandre Salomão
Presidente ABRACRIM-PR

Breno Mendes
Presidente ABRACRIM-RO

Deiber Magalhães Silva
Presidente ABRACRIM-MG

11 thoughts on “Nota de Repúdio!”

  1. Ramiro Rebouças says

    É preciso muita cegueira deliberada para querer negar que viemos tempos muito mais obscuros que os que precederam primeiro de abril de 1964, é muita cegueira deliberada da OAB se não começar a se mobilizar contra o estado de exceção que tomou conta do Brasil. O que falta? Advogados serem espancados no meio da noite apenas por que foram identificados como advogados?

  2. Ivanete Quintela says

    Nem todo dinheiro do mundo paga um ato arrogante e machista como esse! Se mulher fala de igual com um homem, já é desacato… VERGONHA CURITIBA!

  3. Renir Begnini says

    Ridículo. É o mínimo que se pode dizer da atuação vergonhosa dessa polícia covarde que se amedronta diante de bandidos e se mostram abusados com pessoas de bem.
    Orgulho! É o mínimo que posso dizer sobre a atuação da minha irmã, Carla Begnini.
    Inspiração: é a lição que tiro desse episódio, pois isso me traz mais vontade ainda de continuar nessa profissão tão árdua, escolhida por nós, a exemplo de nosso querido Pai.
    Te amo, minha irmã.
    Conte comigo pra o que for necessário pra levar até o fim essa batalha.
    Com a benção de Deus ei de venceremos o bom combate!

  4. João Moreira says

    Parabéns a ABRACRIM pela atuação no caso. Repudiamos o ocorrido..A.Dra Carla é advogada atuante e respeitada em Rondônia .

  5. Antonio Everton de Souza. says

    Providencias imediatamente e punição exemplar a esses servidores publicos mal formados.

  6. Claudio Fiorenza says

    Absurdo! Tremendamente ridícula a ação desses policiais! Repudio com veemência a atitude desses policiais! Tenho a certeza que não é a instrução que receberam durante treinamento na escola de polícia! Que as autoridades superiores tomem energética providência! Dra Carla Begnini, cristã, excelente profissional e caráter indiscutível!

  7. Se a sociedade não protestar com veemência contra os casos de abusos de autoridade, exigindo a punição civil, administrativa e penal contra os causadores, a tendência é que eles aumentem a cada dia.

  8. José Luiz says

    Diz a nota: “A advocacia brasileira que não se calou nas ditaduras, não se calará na democracia.” Democracia? Estamos vivendo um estado de excessão, onde um presidente é golpeado com o beneplácito da OAB nacional.

  9. Gerson says

    Falam se democracia, gritam por direitos, emergem solidariedade protecionistas sem atribuir um maioess, se não o maior princípio do direito o da duvido, seguindo lhe seus irmãos o do contraditório e a ampla defesa.
    O que se tem diante destes compactadores comentários que rasgou se os princípios norteadores sem ter ao menos o devido processo legal e sentença extinguida inclusive recursal.
    Tem se condenações sócias, por júristas que lhes deveria defender os direitos.
    Ter-se-ia melhor opinião após serem tomado as devidas providências legais, sem achismos unilaterais.
    E a OAB instituição de valores e princípios deve tomar partido sim mais para a busca da verdade e justiça após o devido processo legal.

  10. Isabel gomes says

    Enquanto as entidades de classe não perceberem que estes abusos são inspirados pelas ações de autoridades maiores que tem rasgado a constituição e ignorado os direitos fundamentais os advogados continuarão sofrendo estas situações!
    Não adianta combater o varejo, processando este guardinha truculento … ela age assim porque tem o exemplo dos maiorias da justiça das araucárias que deitam e rolam sobre os direitos humanos
    Por isso, devemos combater os abusos de grandes contra grandes
    Senão logo o guardinha da esquina nos atinge … como acontecei neste caso !

  11. Cardoso says

    Parabéns pelo belo comentário Gerson, pois neste país há muita hipocrisia, falam tanto na coisa julgada, mas fazem julgamento de juízo tomando as dores clasistas! Baseado na declaração de uma pessoa condenam as outras! Hipócritas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionado